sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

"Deu a louca na Nickisney" Episódio 2

Olá, gatinhos e gatinhas! Espero que gostem do novo “episódio”. Comentem, ok? Um abraço do tamanho da web para @SamPrankster @thelovatobrasil @FcNathanKress @icarlybest @Feeh_Mendes @bikbeatriz “iCarly Fanfics”, “Sweets Dreams”, “mina do blog”, “Seddie - S2” pelo apoio, comentários, retweets e posts. Obrigada, Mari, pelo incentivo e ajuda e minha mãe que ajudou na escolha das fotos, também. Para Demi – feliz pela sua recuperação; um dia vou conhecê-la, diva!

*ESTA É UMA HISTÓRIA DE FICÇÃO. NOMES USADOS APENAS COMO REFERÊNCIA. OPINIÕES EXPRESSAS E AÇÕES SÃO PURAMENTE FICTÍCIAS, SEM INTENÇÃO DE OFENDER OU DIFAMAR AS PESSOAS MENCIONADAS, NEM SEUS FÃS.

EPISÓDIO 2

MAMÃE VIAJOU, A FESTA COMEÇOU

Miley entra na diretoria, depois de anunciada pela srª Mary.

– Em que posso ajudar, srtª DeLuise? – pergunta o diretor Savage.

– Eu vim falar sobre a explosão do banheiro – ela respira. – Não foi o Justin. Fui eu.

(Diretor Savage)

– Papai e mamãe vão matar a Miley – diz Miranda.

– Espero que não – diz Demi.

– Por que ela sempre se mete em confusão? – pergunta Tori.

– Oi, garotas – diz Drew, aproximando-se, acompanhado por Nathan. – Algum problema? Estão com umas caras.

– Miley está em apuros – dizSelena.

– Acabei de lembrar de você – diz Nathan a Jennette. – Você é campeã estadual de patinação artísitica, né? – Ela balança a abeça, afirmativamente. – Nossa, você é demais! Vi sua última apresentação.

– Obrigda – diz Jennette, ruborizando.

– Oi, gatinho – diz uma garota morena, com o uniforme das líderes de torcida, aproximando-se e abraça Nathan. Duas garotas loiras, gêmeas estam com ela. – Ah, oi. As novas alunas. Eu sou Madisen Hill. Já devem ter ouvido falar de mim; eu sou cantora e atriz. – Ela espera uma reação, mas as garotas apenas olham para ela. – Ah, tudo bem. Essas são Milly e Becky. Fazemos parte do grupo de líderes de torcida. Se quiserem se inscrever.

– Isso seria muito legal! – dizem Miranda e Selena.

– Jennette é patinadora artística, Mad – diz Nathan. – Acho que seria uma ótima candidata.

Madisen analisa a garota de cima a baixo. – Ela ficaria melhor no Clube de Ciências ou de Leitura, gatinho. – e sai. As amigas acompanham-na.

Miley sai da diretoria.

– E então? – pergunta Demi, ansiosa.

– Recebi uma detenção e o diretor vai chamar o pai e a mãe – responde ela.

– O que aconteceu? – pergunta Nathan.

– Eu que explodi o banheiro.

– Quê!? Mas o Justin disse que foi ele – diz Drew.

– O caçulinha mentiu – diz Nathan. – O cara sempre tenta ajudar os outros, mesmo que isso “ferre” ele.

– Isso é uma qualidade, não um defeito – diz Jennette.

– Não disse o contrário, loirinha – diz Nathan, sorrindo.

Depois da aula, Miley deveria ajudar na limpeza. O zelador diz a ela para limpar a biblioteca e as salas de aula do primeiro andar.

– Oi, senhorita Encrenca – diz Justin, sorrindo, entrando na sala.

– Ah, oi, Super-Homem.

– “Super-Homem”?

– É, que sempre salva os outros.

– Ah... Minha mãe ficou feliz por descobri que não fui eu – ele pega uma vassoura e começa a varrer.

– A minha ficou furiosa.

– Por que arranjar confusão no seu primeiro dia de aula?

– Tive a ideia e coloquei em prática – ela dá de ombros.

– Simples assim? Alguém poderia ter se machucado. Você poderia ser expulsa.

– Por que deveria me preocupar em não quebrar as regras? Ninguém se importou que eu poderia me machucar. Eu poderia ter sido morta e se meus pais não fossem legais? – poderiam ser loucos, espancadores, pedófilos, bêbados.

– Do que tá falando? – pergunta Justin, confuso.

– Sou adotada – responde Miley.

– Sério? Mas isso não é ruim. Quer dizer, poderia acontecer essas coisas mesmo, mas não aconteceu. Deveria ser grata pelo seus pais serem legais... Meu pai morreu antes de eu nascer, mas não fico revoltado por isso. Sou grato pela minha mãe e sei que ele me amou antes de morrer.

– Minha mãe biológica não me queria.

– E daí? Você tem pais e cinco irmãs que te amam, com certeza. Boba foi ela que perdeu a chance de ter uma filha linda e especial – ele deixa a vassoura e vai saindo.

– Valeu mais uma vez, Justin – diz Miley e ele sai.

– Acabei de receber uma ligação da casa da Lily – diz Mary aos garotos, na sexta-feira, à noite. – Ela está doente. Vou visitá-la e volto no domingo. – Mary sobe para seu quarto e volta trinta minutos depois com uma mala de mão. – Drew e Sterling estão no comando. Comportem-se. Amo vocês – ela dá um beijo em cada um e sai.

– Mamãe viajou – diz Drew –, a festa começou!

– Não – diz Justin. – Nada de festa!

– Para de ser tão certinho – diz David.

– Concordo com o Justin – diz Nathan.

– Festa! – diz Sterling, pegando o telefone. – Amanhã, às sete.

– Se mamaãe descobrir, ela vai nos matar – diz Nathan.

– Ela não vai descobrir – diz David. – Convida as garotas da frente – dirigindo-se a Sterling.

(Sr. e Sra. DeLuise)

Miley termina de lavar a louça do jantar quando os pais dela entram na cozinha com uma caixa.

– Miley, temos uma coisa pra te mostrar – diz Maria, sorrindo e coloca a caixa em cima da mesa. – Essas coisas são suas, de quando era muito pequena.

O sr. DeLuise abre a caixa e tira uma manta branca. – Você chegou com essa manta... A sua pulseirinha do hospital... Olha, Maria, a primeira roupa dela – ele pega uma roupa para bebê rosa.

– Ah, a gente tinha comprado pra Tori, mas ela ainda não tinha usado, então colocamos em você. Era um bebê tão lindo e fofo.

Miley está parada, encostada na pia, em silêncio, olhando para os pais e as lágrimas começam a cair. Sua mãe levanta-se e a abraça.

– Pra nós, não faz a mínima diferença se você é adotada. Nós te amamos igual amamos Demi, Jen, Mi, Sel e Tori.

– Eu sei que deve estar zangada com sua mãe biológica, mas isso não é motivo pra sair por aí fazendo besteira, Miley – diz o pai. – Por que não diz pra gente o que tá sentindo?

– Eu não entendo porquê. Ela era minha mãe, não deveria me deixar na porta de estranhos... e se vocês não fossem legais comigo? E se eu tivesse morrido? Ela não se importou com isso...

– São muitos “se”, querida – diz Maria. – Pra quê!? Tenha a certeza absoluta que nós te amamos.

– Vocês sabem o que aconteceu com ela?

– Ela faleceu um pouco depois, de acordo com os registros policiais – diz o sr. DeLuise.

– Sabem alguma coisa sobre o namorado ou marido dela?

– Não, não conseguimos descobrir nada sobre ele – diz Maria. – Aguns vizinhos disseram que achavam que ele era casado. Só isso.

O telefone toca. Miley atende, depois de enxugar as lágrimas. – Alô?... Miley... Ah, oi, Sterling... Eu tô de castigo, mas passo o recado pras meninas. Obrigada... Tchau. – ela coloca o fone no gancho.

No dia seguinte, às sete da noite, a casa dos Stewart está cheia.

– Vocês disseram que convidaram vinte pessoas – diz Nathan a Sterling, na cozinha.

- E convidamos. Só que a notícia se espalhou, mano.

– Eu tô fora. Se mamãe descobrir, e ela vai descobrir, ela vai matar vocês – ele sai, pela porta do quintal.

– Ei, Nath – diz Sterling. – Tá, tchau.

Nathan sai de casa e desce a rua até a praia. Ele senta-se na areia e fica observando as ondas arrenbentarem. Não há quase ninguém ali, exceto uma garota loira sentada em uma toalha, com um violão.

– Jen? – pergunta o garoto, reconhecendo-a.

Ela levanta a cabeça. – Ah, é você – diz ela, desanimada. – E é “Jennette” pra você.

– Sabe tocar violão além de ler, é? – pergunta ele, levantando-se e sentando-se ao lado dela.

– É, sei sim. E você, consegue fazer algo mais útil além de ser capitão do time de futebol e namorar a capitã de líderes de torcida? Isso é tão clichê.

– Mad não é minha namorada.

– Só por curiosidade, procurei “Madisen Hill” no Google e vi o dídeo dela, “Suga”. É... hum... interessante.

– É legalzinho.

– É, os garotos devem adorar ela soletrando “beijo” e rebolando com aquele vestidinho de boneca – Nathan apenas sorriu. – Por que está aqui? – pergunta a garota, um tempo depois. – Seus irmãos não estão dando uma festa?

– Mamãe não sabe disso, o que significa que vamos ficar de castigo quando descobrir. Não quis ficar lá.

– Você sendo responsável? – pergunta ela, desconfiada.

– Por que acha que sou um desregrado, Jen? Só por que faço parte do time de futebol da escola? Isso é estereótipo, sabia? Está vendo? Também sei falar difícil. – Ele ri. Ela olha para ele e ri também.

– Sabia que isso ia dar confusão – diz Justin aos irmãos, na cozinha – Quebraram o vaso preferido da mamãe... Onde está o Nathan?

– Saiu – responde Sterling.

– Mamãe vai matar a gente quando chegar.

– Peraí, a mãe de vocês não sabe da festa? – pergunta Demi, entrando na cozinha. Os garotos sobressaltam-se.

– Ela viajou, então aproveitamos – diz Sterling.

– Mas isso é muita irresponsabilidade!

– Com certeza – diz Mary, entrando pela porta dos fundos. – Nunca imaginei que vocês fariam isso.

– Mãe... – diz Drew.

– Nem continue, Drew. Vá lá fora e diga a seus amigos que a festa acabou. Todos vocês. – Drew sai e volta cinco minutos depois.

– Ah, mãe, eu... – começa Nathan, ao entrar na cozinha, acompanhado por Jennette. Mary tinha ligado para ele.

– Eu confiei em vocês. E o que fazem? Uma festa! Não imaginam o quanto estou decepcionada. Nem se importaram que eu fui visitar uma amiga doente. Ela me ajudou a cuidar de vocês, quando eram crianças. É bom que as colegas de vocês estejam aqui, para ver o quanto são irresponsáveis. Esperava apoio, quando chegasse em casa; não isso – ela desaba em uma cadeira e começa a chorar. – Lily faleceu. – Os garotos correm para abraçá-la.

Demi desce as escadas e entra na sala onde os garotos e Jennette tentam colocar as coisas no lugar. – A mãe de vocês dormiu. Ela não queria. Queria voltar para ajudar com o velório e o enterro, mas ela não está em condições de dirigir. Tentem ver as coisas por lá, ok?

– Vou ligar pra lá – diz Drew e vai para cozinha.

– Vamos dividir – diz Demi. – Sterling fica com o banheiro...

– Por que?

– Porque a ideia da festa foi sua. Drew te ajuda. Nathan, Justin e David, aqui na sala. Passem tudo que precisa ser levado pra cozinha, que eu e a Jen fazemos isso.

– Sério? – pergunta Sterling. – Vocês são demais! – e vai abraçá-la. Demi estica o braço, fazendo-o parar.

– Não se acostume.

Quase uma hora depois, as coisas estão no lugar.

– Eu vou levar o vaso da sua mãe e ver o que o papai pode fazer – diz Demi. – Sinto muito pela mãe de vocês e a amiga dela.

– Obrigada, garotas, pela ajuda, de verdade – diz Nathan.

– Aprenderam a lição? – pergunta Jennette. Os garotos dizem sim; agradecem e as garotas vão para casa.

FIM

9 comentários:

  1. AH, que demais! Tô muito ansiosa pro 3° episódio! Ps.: Se precisar de alguma coisa é só entrar em contato. Bjo com gosto de tacos de macarrão.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por citar meu nome aí! A fic ficou muito demais! Tipo que subiu uma raiva em mim na hora da Madisen Hill. Mas isso é bom, porque assim sentimos a emoção do texto.^^

    ResponderExcluir
  3. ansiosa pro 3° episódio obrigado por coloca meu blog alii!! ahh obrigado de verdade !!! lokaa para o ep.3 ;)

    ResponderExcluir
  4. Too amando essas Fics, meu coraçao so falta
    pular pra fora de tao animada para proxima fic,
    e tbm animada pra proxima fic de icarly. voce é muito boa escritora e sabe passar a emoçao como a Sam Prankster disse. achei uma fanfic bem legal se quiser o site é : http://www.fanfiction.net/s/6314487/1/A_detencao
    Beijos e continuaa assim
    Mina do blog :)

    ResponderExcluir
  5. achei bem legal,só não gostei mais pq está incluso algumas personagens que eu não gosto muito,mas está bem legal!

    ResponderExcluir
  6. AAAAAAH! Agora tô ansiosa! Preciso muuito "ver"(?) o terceiro episódio!
    Jathan <3 ... soooo cute!
    Madisen... ah, eu já sabia que ela ia ser vilã... kk, tenho pena xDD

    Bjs
    Mah

    ResponderExcluir
  7. Soraia, me diz qual a frequencia de suas postagens tipo sl, 5 em 5 dias ou sei lá me diz ?
    Mina do blog =)

    ResponderExcluir
  8. E muito legal sou super sedie jathan leonetta jorvica e mais 47 siglas e muito criativo e mexe com as emoções a uma sugestão faz uma fanfiction de violetta adorei vou continuar lendo

    ResponderExcluir